Azul pede registro para realizar oferta inicial de ações

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia aérea Azul iniciou nesta terça-feira seu projeto de se listar na BM&FBovespa com uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), no momento em que a recuperação do mercado acionário brasileiro tem levado várias empresas nacionais a desengavetar planos de captar recursos no mercado de capitais.

Terceira maior companhia aérea do país, a Azul retoma pela quarta vez seu plano de listagem na bolsa. A última tentativa, em junho de 2015, foi abortada, assim como das primeiras vezes, pelo cenário adverso do mercado.

Segundo o prospecto preliminar da operação protolocado nesta terça-feira, o IPO da Azul terá o Itaú BBA como coordenador líder, com apoio de Citi, Deutsche Bank, BB Banco de Investimento, Bradesco BBI, Santander Brasil e JPMorgan.

Segundo o documento, os investidores Saleb II Founder 13, Star Sabia, WP-New Air, Azul Holding, ZDBR, Bozano, Maracatu, Morris Azul, TRIP e Rio Novo Locações serão acionistas vendedores na operação.

A companhia afirmou que pretende usar parte dos recursos que captar na oferta primária para pagar dívidas e elevar seu capital de giro.

Na segunda quinzena de novembro, a Reuters antecipou que a Azul estava concluindo a documentação necessária para pedir o registro para um IPO.

(Por Aluísio Alves)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos