PSOL pede impeachment de governador do Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O PSOL, liderado pelo candidato derrotado à prefeitura do Rio de Janeiro em 2016 Marcelo Freixo, protocolou nessa quinta-feira na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro um pedido de impeachment do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), informou a Alerj.

O pedido, com mais de 100 páginas, acusa o governador de ter cometido crimes de responsabilidade, como desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal, no ano de 2016. O partido ataca ainda os problemas na Previdência do Estado e a política de isenções fiscais a empresas.

“O pedido não é porque o governo é ruim ou bom, mas um governo para ser interrompido tem que ter claramente crime de responsabilidade. Esse governo tem vários”, disse Freixo a jornalistas.

Um relatório orçamentário do governo do Estado aponta que em 2016 o Rio de Janeiro superou os limites legais para gastos com servidores e funcionários e não atingiu o percentual mínimo de gastos com saúde.

O documento orçamentário é considerado ainda preliminar, uma vez que as contas do Estado ainda serão analisadas pelo Tribunal de Contas do Rio de Janeiro

Para que o processo de impeachment avance na assembleia, o pedido de tem que ser aceito pelo presidente da Alerj, Jorge Picciani, peemedebista como Pezão.

O governador enfrenta uma forte pressão popular por conta da forte crise financeira no Estado, que decretou calamidade pública no ano passado.

A credibilidade do governador ficou ainda mais abalada após o Tribunal Regional Eleitoral decidir na semana passada pela cassação do mandato dele e do vice governador Francisco Dornelles. A decisão está sujeita a recurso.

Em meio a esse ambiente desfavorável, Pezão tenta aprovar nos próximos dias medidas impopulares que fazem parte do chamado pacote de austeridade que inclui, entre outros pontos, a alienação das ações da Cedae, a companhia de saneamento do Estado, e aumento da contribuição previdenciária.

Esse são pontos fundamentais para que o Rio de Janeiro possa conseguir junto ao governo federal um empréstimo de 3,5 bilhões de reais e outros benefícios.

“O Rio de Janeiro é sui generis. PSOL junto com o PSDB contra o governo. O PSDB vendeu empresas locais e não conseguiu renegociar a dívida e agora se junta com o PSOL”, ironizou o governador.

Pezão tem ampla maioria na Alerj e conta com o forte apoio político de Picciani, presidente da assembleia e presidente estadual do PMDB.

“O presidente Jorge Picciani ainda não tomou conhecimento oficialmente do pedido de impeachment protocolado nesta quinta-feira”, informou a assessoria da Alerj.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos