Ex-premiê italiano Renzi renuncia à liderança partidária e abre disputa pela chefia do PD

ROMA (Reuters) - O ex-primeiro-ministro italiano Matteo Renzi renunciou neste domingo como chefe do governista Partido Democrático (PD), abrindo espaço para uma luta pela liderança, na qual irá enfrentar rivais que ameaçam romper a centro-esquerda.

Lutando por sua vida política, Renzi deixou claro que irá buscar a reeleição e alertou que conflitos internos no PD se mostram um presente ao principal oponente no Parlamento, o anti-establishment Movimento 5 Estrelas.

Uma década após sua fundação, o PD está à beira de uma separação que arrisca levar ainda mais instabilidade política à Itália, terceira maior economia da zona do Euro, marcada por anos de recessão, altas taxas de desemprego e dívidas crescentes.

Dissidentes do PD, incluindo o ex-líder Pierluigi Bersani, dizem que o partido se afastou demais de suas raízes esquerdistas. Apoiadores de Renzi dizem que os rivais são movidos pela animosidade pessoal e buscam expandir sua influência.

"A única palavra pior que 'cisão' é a palavra 'chantagem'. Me pedir para sair não é democrático", disse Renzi durante assembleia do partido em um hotel de Roma, confirmando que tentará novamente a liderança do PD, a qual ganhou pela primeira vez em 2013.

Renzi renunciou como primeiro-ministro em dezembro após perder um referendo sobre reforma constitucional, mas busca voltar ao poder e realizar a eleição nacional neste ano, e não no início de 2018, como planejado.

Isso irritou dissidentes do PD, que argumentam ser necessário um tempo maior para resolver os problemas do partido e desenvolver um manifesto que promova gastos sociais e combata a desigualdade.

    Um dos maiores críticos a Renzi teve um tom inesperadamente conciliatório ao final do debate deste domingo, sugerindo que a crise interna possa ser resolvida.

    "Estamos sentindo grande dor neste momento. Muitos camaradas estão vindo a mim, pegando em minha mão e dizendo que é importante ficarmos juntos. Isso está a nosso alcance", disse Michele Emiliano, chefe da região de Puglia.

     Renzi não disse quando uma votação pela liderança será feita, mas aliados afirmam que ele pretende realizá-la antes das eleições locais de junho, temendo que uma derrota para o PD possa então diminuir suas chances.  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos