Países do Caribe se reúnem em Havana para discutir imigração e comércio no início da era Trump

Por Nelson Acosta

HAVANA (Reuters) - Ministros do Exterior e outras autoridades de 25 países da região do Caribe se encontraram em Havana nesta sexta-feira para discutir uma ação conjunta diante das ameaças do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, em relação à imigração e ao comércio.

Declarações de abertura no evento realizado a portas fechadas, onde há representantes de Colômbia, México, Cuba, países da América Central e ilhas caribenhas, deixaram claro que o novo governo dos Estados Unidos estava no topo da pauta, apesar de o nome do presidente Trump não ter sido pronunciado.

Os EUA são um parceiro chave da região.

"Estamos nos reunindo num momento histórico especial, quando há mudanças na cena global, e nós temos que estar preparados”, afirmou June Soomer, que é de Santa Lúcia e é secretária-geral da Associação de Estados do Caribe.

"Nós não vamos nos resignar com o que outros no mundo ditam. Não somos uma região medíocre, somos uma de excelência e paz”, afirmou Soomer.

O presidente de Cuba, Raúl Castro, compareceu à cerimônia de abertura.

O seu ministro do Exterior, Bruno Rodríguez, criticou as políticas de Trump no seu discurso de abertura e disse que a organização deveria elaborar uma resposta conjunta, uma vez que as políticas ameaçam os modelos de desenvolvimento de economias locais.

"Essas políticas imigratórias excludentes e repressivas anunciadas por países de destino, além da implementação de medidas comerciais protecionistas ao extremo, são desafios reais para a nossa região”, declarou ele.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos