Trump quer fundo 'flexível' para combater Estado Islâmico e visa melhorar Guantánamo

Por Phil Stewart e Mike Stone

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está pedindo para o Congresso dar ao Pentágono cerca de 2 bilhões de dólares para um fundo “flexível” para ser usado contra o Estado Islâmico nos próximos seis meses, ao mesmo tempo que o seu governo avalia mudanças na campanha liderada pelos EUA contra o grupo militante.

Trump também busca aprimorar as instalações há muito subfinanciadas do centro de detenção militar dos EUA na Baía de Guantánamo, em Cuba, que o seu antecessor democrata, Barack Obama, tentou sem sucesso fechar durante os seus dois mandatos.

"Não parece que nós vamos fechá-lo logo”, afirmou John Roth, do Pentágono, em entrevista em que explicou a medida.

As propostas são parte de um pedido suplementar de 30 bilhões de dólares ao Congresso para somar mais recursos ao orçamento do Pentágono durante o atual ano fiscal do governo, que começou no período de Obama e termina em setembro.

Elas incluem planos para aumentar o financiamento norte-americano para a luta contra o Estado Islâmico, para items como bombas de alta tecnologia e defesas contra drones dos insurgentes, levando o gasto total com a campanha para o seu nível mais alto, de acordo com o Pentágono.

"Esse provavelmente será o nosso maior pedido”, afirmou Roth.

Um analista chamou o pedido de gasto flexível de 2 bilhões de dólares de um “fundo secreto” para o Pentágono, e muitos parlamentares devem se mostrar relutantes em relaxar a supervisão sobre como o Pentágono gasta o seu dinheiro.

O que o fundo adicional de Trump pode significar para a estratégia contra o Estado Islâmico nos próximos meses não está de imediato claro.

No entanto, o pedido se dá quando as forças apoiadas pelos EUA no Iraque e na Síria entram numa fase crítica para retomar as cidades de Mosul, no Iraque, e Raqqa, na Síria, do Estado Islâmico.

Os líderes dos principais comitês do Congresso que cuidam do Pentágono criticaram o pedido orçamentário de Trump para 2018, dizendo que mais dinheiro era necessário.

"Está claro para praticamente todo mundo que nós cortamos demais a nossa força militar, e que ela sofreu grande dano”, disse o deputado republicano Marc Thornberry, presidente do Comitê de Serviços Armados da Câmara.

GUANTÁNAMO

Trump afirmou durante a campanha eleitoral que ele não só queria manter a prisão de Guantánamo aberta, mas que também queria “enchê-la com alguns sujeitos maus”.

O pedido de 5,1 bilhões de dólares de Trump para “operações de contingência no exterior” inclui 1,1 bilhão de dólares em recursos adicionais para uma série de projetos do Pentágono, entre eles o planejamento de “projetos de construção em apoio a Operações de Detenção na Baía de Guantánamo”.

Trump também quer 12 interceptadores para o sistema de defesa antimísseis THAAD. Os EUA estão implantando o THAAD na Coreia do Sul, em resposta aos testes balísticos e nucleares da Coreia do Norte.

Um valor de 7,2 bilhões de dólares iria para coisas como treinamento militar, capacidade em inteligência e em tecnologia, e apoio para sistemas de armas.

(Reportagem adicional de Idrees Ali e Matt Spetalnick)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos