Candidato de esquerda declara vitória em eleição no Equador; adversário pede recontagem

QUITO (Reuters) - O candidato de esquerda à Presidência do Equador, Lenin Moreno, declarou vitória na eleição de domingo no país sul-americano, mas seu adversário conservador pediu uma recontagem dos votos enquanto manifestantes foram às ruas em protesto.

A vitória de Moreno estimularia o movimento esquerdista na América do Sul, após governos inclinados para a direita assumirem o poder na Argentina, Brasil e Peru após o fim do boom das commodities, economias em crise e o crescimento de escândalos de corrupção na região.

O principal líder de esquerda da região atualmente, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, parabenizou Moreno pelo resultado no Twitter, assim como o presidente da Bolívia, Evo Morales, outro esquerdista.

O candidato conservador Guillermo Lasso, um ex-banqueiro, havia se comprometido a denunciar Maduro, cujos oponentes acusam de ter arrastado seu país para uma ditadura.

Moreno, ex-vice-presidente que é paraplégico, tinha assegurado 51,1 por cento de votos, enquanto Lasso conseguiu 48,6 por cento, com mais de 96 por cento dos votos apurados, de acordo com o conselho eleitoral.

A vitória de Moreno representaria um alívio para o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, já que o candidato conservador Lasso havia se comprometido a remover Assange da embaixada equatoriana em Londres caso ganhasse as eleições.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos