Trump desiste de incluir muro no orçamento do ano e destrava negociações

Susan Cornwell e Richard Cowan

Em Washington

  • Bryan Denton/The New York Times

A ameaça de paralisação do governo dos Estados Unidos neste final de semana aparentemente diminuiu nesta terça-feira, depois que o presidente norte-americano, Donald Trump, recuou da exigência de que o Congresso incluísse o financiamento do muro que planejou erguer na fronteira com o México em um projeto de lei sobre dotações orçamentárias.

Em comentários feitos a veículos de imprensa conservadores na noite de segunda-feira, que foram confirmados pela Casa Branca, Trump disse que pode esperar até que seus colegas republicanos esbocem o plano orçamentário para o ano fiscal que começa em 1º de outubro para buscar fundos para o muro.

Os republicanos controlam as duas casas do Congresso, mas o atual projeto de lei de gastos, que tem que ser aprovado até a noite de sexta-feira, precisa de 60 votos dos 100 membros do Senado, onde os republicanos têm 52 cadeiras, o que significa que ao menos alguns democratas teriam que apoiá-lo. Líderes democratas disseram que o projeto não receberá votos do partido se os fundos para o muro forem incluídos.

A notícia sobre os comentários de Trump ajudou a provocar um alta no rendimento dos títulos da dívida do Tesouro dos EUA.

Ainda que a disputa a respeito do financiamento do muro tenha terminado, republicanos e democratas ainda têm alguns temas difíceis para resolver ao longo dos próximos dois dias.

Com sua demanda de inclusão de fundos para a obra, Trump vinha correndo o risco de os opositores o culparem por uma paralisação parcial do governo que começaria no sábado, dia em que o presidente, cujos índices de aprovação despencaram desde que tomou posse, irá comemorar seus 100 dias no cargo.

As exigências da Casa Branca para que os contribuintes norte-americanos paguem a conta do muro fronteiriço enfraqueceram especialmente porque Trump fez campanha prometendo não somente construí-lo, mas fazer o México pagar por ele.

O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, saudou os comentários da noite de segunda-feira e observou que há republicanos que também se opõem ao muro.

"É uma ótima notícia que o presidente pareça estar tirando o muro da jogada nas negociações que estamos tendo sobre o projeto de lei de dotações nesta semana", disse Schumer no plenário do Senado na manhã desta terça-feira.

"Isso afastaria a perspectiva de uma luta desnecessária por uma proposta que membros dos dois partidos não apoiam... se a ameaça de um muro for retirada, como espero que seja o caso, nossas negociações podem continuar e podemos, espero, resolver todas as questões pendentes até sexta-feira."

Se nenhuma medida de gastos cobrindo o período entre 29 de abril e 30 de setembro for aprovada até o primeiro minuto de sábado, o financiamento governamental irá acabar e centenas de milhares dos vários milhões de servidores públicos do país serão dispensados temporariamente.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos