Encontro do papa Francisco com líder de Mianmar leva a laços diplomáticos

Por Philip Pullella

VATICANO (Reuters) - O Vaticano e Mianmar estabeleceram relações diplomáticas completas nesta quinta-feira, minutos após o papa Francisco receber a líder do país, Aung San Suu Kyi.

A medida inesperada significa que o Vaticano terá mais influência diplomática em Mianmar, que enfrenta investigação internacional por atrocidades cometidas contra a minoria muçulmana Rohingya.

Existem aproximadamente 700 mil católicos em Mianmar, de acordo com o cardeal do país, Charles Maung Bo, em uma população total de 51,4 milhões, de maioria budista.

Anteriormente, o Vaticano era representado em Mianmar por um delegado apostólico da igreja local que estava sediado na Tailândia. A reaproximação significa que tanto o Vaticano como Mianmar vão nomear embaixadores de pleno direito.

O anúncio veio logo após o encontro do papa Francisco com Suu Kyi, a atual líder do governo civil de Mianmar e também a ministra de Relações Exteriores do país.

Suu Kyi assumiu o poder em 2016 por uma vitória esmagadora depois que os ex-líderes militares de Mianmar iniciaram uma transição política.

Em fevereiro, Francisco criticou severamente o tratamento do povo Rohingya, afirmando que eles foram torturados e assassinados simplesmente porque queriam viver a cultura e fé muçulmana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos