EUA dizem que sírios construíram crematório em prisão para se livrar de corpos

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos têm indícios de que o governo do presidente da Síria, Bashar al-Assad, construiu um crematório em uma grande prisão militar nos arredores da capital Damasco, disse uma autoridade do Departamento de Estado norte-americano nesta segunda-feira.

Stuart Jones, secretário-assistente interino de Estado para Assuntos do Oriente Próximo, disse que funcionários de seu país acreditam que o crematório pode ser usado para destruir corpos em uma prisão onde temem que o governo de Assad autorizou o enforcamento em massa de milhares de prisioneiros durante a guerra civil síria de seis anos.

"Fontes críveis acreditam que muitos dos corpos foram descartados em cemitérios coletivos", disse Jones aos repórteres. Durante sua coletiva de imprensa ele mostrou imagens aéreas do que disse ser o crematório.

"Agora acreditamos que o regime sírio instalou um crematório no complexo prisional de Sednaya que pode destruir os restos de detidos com poucas provas."

Em fevereiro a Anistia Internacional relatou que uma média de 20 a 50 pessoas são enforcadas todas as semanas em Sednaya, localizada ao norte de Damasco. Entre 5 mil e 13 mil pessoas foram executadas no complexo nos quatro anos transcorridos desde que um levante popular degenerou em uma guerra, afirmou.

Jones também disse não estar otimista com um acordo mediado pela Rússia para estabelecer "zonas de apaziguamento" dentro da Síria. O acordo foi firmado com apoio do Irã e da Turquia durante conversas sobre um cessar-fogo na capital cazaque, Astana, no início deste mês, das quais Jones participou.

 (Por Yeganeh Torbati e Doina Chiacu)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos