UE alerta Reino Unido que só tratará de acordo comercial após acerto de dívidas

BRUXELAS (Reuters) - Governos da União Europeia acertaram um plano de negociação comum para a saída do Reino Unido do bloco nesta segunda-feira e voltaram a insistir que não irão iniciar conversas sobre um acordo comercial pós-Brexit até que Londres concorde em acertar suas contas com a UE.

Ministros dos outros 27 países membros da UE se reuniram em Bruxelas para aprovar uma estratégia em comum e conceder um mandato ao Executivo do bloco --representado pelo principal negociador do Brexit, Michel Barnier-- para este iniciar as conversas em seu nome após a eleição britânica de 8 de junho.

A estratégia e o mandato foram adotados unanimemente, disseram autoridades.

Vários ministros enfatizaram que suas prioridades são proporcionar clareza legal para cidadãos da UE no Reino Unido antes que estes passem a viver fora do bloco em março de 2019 e combinar como calcular o que Londres deve a Bruxelas antes da separação.

No mês passado os líderes da UE acertaram uma estrutura de conversas em fases, segundo a qual o acordo de livre comércio que a primeira-ministra britânica, Theresa May, quer firmar com o bloco só será debatido depois que uma primeira fase de conversas fizer um "progresso significativo" em temas como os direitos dos cidadãos e o orçamento.

"Está claro que neste tema, na questão financeira, se empacarmos não chegaremos à Fase Dois, o que deveria acontecer mais tarde entre a União Europeia e o Reino Unido", disse o ministro das Relações Exteriores de Luxemburgo, Jean Asselborn.

Seu colega holandês, Bert Koenders, disse a repórteres: "É muito britânico saber que, se você é parte de um clube e depois sai, tem que acertar suas contas".

May e seu governo conservador disseram que irão cumprir suas obrigações, mas questionam a ideia de que seu país possa ter que pagar dezenas de bilhões de euros à UE para cobrir sua parte dos compromissos financeiros existentes. O Reino Unido quer iniciar as tratativas sobre uma futura relação comercial o mais cedo possível.

Barnier disse que a abordagem em duas etapas, mediante a qual as conversas sobre comércio poderiam começar no início do ano que vem, é necessária para evitar confusão.

Vários ministros ressaltaram a unidade entre os 27 países. Alguns, como o chanceler da Áustria, Sebastian Kurz, disseram que os outros países que fazem contribuições líquidas não precisam oferecer mais nada ao orçamento da UE depois que o Reino Unido se for.

O ministro alemão dos Assuntos Europeus, Michael Roth, sublinhou a necessidade de se iniciar o trabalho para conter os danos do que descreveu como uma "situação em que todos perdem" tanto para o Reino Unido quanto para a UE.

"Temos dois anos. O relógio está andando", disse Roth aos repórteres. "Temos que pôr mãos à obra".

(Por Alastair Macdonald)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos