ONU amplia sanções contra Coreia do Norte em 1º acordo entre EUA e China sob Trump

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) ampliou nesta sexta-feira sanções contra a Coreia do Norte após os repetidos testes com mísseis feitos pelo país, adotando a primeira resolução do tipo acertada entre os Estados Unidos e a China, a única aliada de Pyongyang, desde que o presidente norte-americano Donald Trump tomou posse.

O governo Trump tem pressionado a China agressivamente para que o país contenha seu vizinho, alertando que todas as opções estão na mesa se a Coreia do Norte insistir com seus programas nuclear e de mísseis.

O acréscimo de nomes à lista negra da ONU --um grupo que fica proibido de viajar e terá seus ativos congelados-- é a sanção mínima que o Conselho de Segurança pode adotar e acontece depois de cinco semanas de negociações entre EUA e China.

A resolução, aprovada por unanimidade pelo conselho de 15 membros, sanciona quatro entidades, incluindo o Banco Koryo, e 14 pessoas, incluindo o chefe das operações de espionagem no exterior de Pyongyang.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos