Com "performance impressionante", May ganha apoio de partido para seguir como premiê

LONDRES (Reuters) - Em uma performance “impressionante”, a primeira-ministra britânica, Theresa May, conquistou um voto de confiança de seu Partido Conservador nesta segunda-feira, ganhando apoio de parlamentares desiludidos após perder uma maioria parlamentar na eleição nacional na semana passada.

A primeira-ministra foi descrita como “arrependida” em um encontro de membros conservadores chamado de Comitê 1922, pedindo desculpas aos políticos que perderam seus assentos em uma eleição que não precisava ter realizado e prometendo limpar “a bagunça” que fez na quinta-feira ao trabalhar mais amplamente com seu partido.

Para alguns dos participantes, foi uma performance forte o suficiente para convencer duvidosos sobre seu futuro.

Seu ministro das Relações Exteriores, Boris Johnson, descreveu o encontro como uma: “performance impressionante da primeira-ministra no 1922. Uma equipe seguindo junta em frente pelo Reino Unido”.

Mas também foi uma performance que eles desejavam que May tivesse realizado mais durante a campanha eleitoral de sete semanas, quando sua liderança de dois dígitos nas pesquisas de opinião caiu, à medida que se manteve fiel a um roteiro.

Diversos parlamentares conservadores, todos falando em condição de anonimato porque era um encontro privado, disseram que May deu início ao encontro dizendo que ela mesma colocou o partido “nesta bagunça e sou eu quem irá nos tirar dela”.

“Assim que ela fez esta confissão – esta mea-culpa ‘estou assumindo responsabilidade’ – a sala realmente se aqueceu”, disse outro parlamentar que participou do encontro do comitê, nomeado após um encontro em 1922 quando os conservadores se retiraram de um governo de coalizão.

“Estamos todos profundamente orgulhosos, afeiçoados e respeitosos a ela como pessoa”.

Com aplausos, risadas e o som de punhos batendo nas mesas sendo escutados no corredor do lado de fora da Sala Gladstone no Parlamento com vista para o Tâmisa, a promessa de May de “nos servir enquanto nós quisermos ela” foi cumprida com um “sim”, pelo menos por ora.

O encontro de mais de uma hora de duração foi o teste mais recente para a primeira-ministra de 60 anos, cuja aposta atípica de fortalecer sua liderança ao pedir eleições antecipadas deixou sua autoridade em farrapos e enfraqueceu seu lado nas conversas de separação do Reino Unido da União Europeia.

Seus dois assessores mais próximos se demitiram, quaisquer planos para uma ampla reformulação de seus principais ministros foram firmemente colocados de lado e ela muito provavelmente terá que controlar seu programa de reforma, agora dependente de um pequeno partido norte-irlandês por apoio.

E, embora ao menos um parlamentar conservador tenha deixado o encontro sugerindo que nem tudo correu bem, ao gritar “o que você esperava, algum tipo de amor comunal?” ao ser perguntado sobre como o encontro ia, outros pareciam satisfeitos que May conseguiu mais tempo no comando do partido, e do país.

Ela aparentou acalmar os nervos entre parlamentares euro-céticos e pró-UE sobre sua estratégia para saída do Reino Unido da União Europeia e amenizou preocupações sobre uma ligação com o Partido Unionista Democrático da Irlanda do Norte, que alguns temiam poder pressionar questões sociais como aborto e direitos dos gays.

Mas foram suas palavras sobre o partido que conquistaram muitos.

Ela falou sobre ser “uma serva do partido desde que tinha 12 anos de idade”, quando começou a preencher envelopes com materiais de propaganda do Partido Conservador, disse um parlamentar.

Outro disse: “Eu simplesmente queria ter visto mais disto durante a campanha”.

(Por Elizabeth Piper, William James e Kylie MacLellan)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos