Verdadeira vitória será em 5 anos, diz governo Macron após maioria esmagadora em eleição parlamentar

Por Richard Lough e Brian Love

PARIS (Reuters) - O governo do presidente da França, Emmanuel Macron, prometeu nesta segunda-feira que irá reformular o cenário político do país, após conquistar uma maioria parlamentar absoluta que buscava para adotar abrangentes reformas pró-crescimento.

O partido de centro de Macron, A República em Marcha (LREM), e seu aliado de centro-direita Modem obtiveram 350 das 577 cadeiras da Assembleia Nacional na eleição de domingo, mesmo diante do recorde de abstenção em uma eleição parlamentar na Quinta República (pós-guerra).

O porta-voz do governo, Christophe Castaner, disse que o baixo comparecimento --mais de 50 por cento dos eleitores ficou em casa-- representa um fracasso da classe política e sublinhou a necessidade de mudar a política francesa.

"A verdadeira vitória não foi na noite passada, será em cinco anos, quando realmente tivermos mudado as coisas", disse Castaner à rádio RTL.

Embora menor do que prevista pelas pesquisas, a maioria de Macron esmagou os partidos mais tradicionais da França, derrotando os socialistas e os conservadores que vinham se alternando no poder há décadas.

"Vitória para o Centro", disse a manchete do jornal à esquerda Libération. Já o jornal financeiro Les Échos mencionou "A Aposta Vitoriosa".

Castaner disse que o primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, e seu governo irão renunciar ainda nesta segunda-feira e que um novo gabinete será formado nos próximos dias. Ele ainda disse acreditar que Philippe será reconduzido ao cargo de premiê.

Os investidores saudaram a vitória de Macron, e a diferença entre o rendimento dos títulos franceses e alemães se manteve próxima de seu menor nível em sete meses.

"Após as reformas, que esperamos que Macron implemente, a França pode se tornar a maior das grandes economias da Europa na próxima década, superando a Alemanha, que está acomodada, e um Reino Unido que (por causa da desfiliação britânica da União Europeia, o chamado Brexit) está prejudicando suas perspectivas de crescimento de longo prazo", disse Holger Schmieding, economista-chefe do banco alemão Berenberg.

Macron quer apressar o relaxamento dos regulamentos trabalhistas e reformar o complicado sistema de pensões do país no ano que vem. Durante a campanha ele também prometeu reduzir os impostos corporativos de 33 para 25 por cento e fazer um investimento público de 50 bilhões de euros em energia, treinamento vocacional e infraestrutura de transportes.

A eleição de domingo ainda resultou no acesso de um número recorde de mulheres ao Parlamento, devido em grande parte à decisão de Macron de apresentar uma lista de candidatos bem dividida entre homens e mulheres.

(Reportagem adicional de Caroline Pailliez e Helen Reid)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos