Em conversas de alto escalão, EUA pedem para China fazer mais para conter Coreia do Norte

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos pressionaram a China para exercer maior pressão econômica e diplomática sobre a Coreia do Norte para ajudar a conter os programas nuclear e de mísseis, durante uma rodada de conversas de alto escalão em Washington nesta quarta-feira.

O encontro de diplomatas seniores e chefes da Defesa dos EUA e China foi realizado um dia após o presidente Donald Trump dizer que os esforços chineses de usar sua influência sobre Pyongyang haviam falhado, levantando novas dúvidas sobre a estratégia do governo norte-americano para conter a ameaça da Coreia do Norte.

A morte do estudante universitário norte-americano Otto Warmbier nesta semana, após sua libertação de 17 meses de prisão em Pyongyang, complicou ainda mais a abordagem de Trump sobre a Coreia do Norte, seu principal desafio de segurança nacional.

“Nós reiteramos à China que ela possui uma responsabilidade diplomática de exercer maior pressão econômica e diplomática sobre o regime caso queira evitar maior escalada na região”, disse a repórteres o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, durante entrevista coletiva com o secretário de Defesa, Jim Mattis.

Mattis prometeu “continuar a tomar medidas necessárias para nos defender e defender nossos aliados” contra a Coreia do Norte, que está trabalhando no desenvolvimento de um míssil de ponta nuclear capaz de atingir os EUA.

(Por David Brunnstrom e Matt Spetalnick)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos