Merkel critica prisão de ativistas de direitos humanos na Turquia

Por Andrea Shalal e Tuvan Gumrukcu

BERLIM/ANCARA (Reuters) - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, criticou nesta terça-feira a detenção de ativistas dos direitos humanos na Turquia, incluindo um alemão, e prometeu trabalhar para sua libertação.

Uma das pessoas em prisão preventiva por suspeita de pertencer a uma organização terrorista é o diretor turco da Anistia Internacional, Idil Eser. A Anistia informou que verdade e justiça se tornaram “totais estranhos”.

Eser, o alemão Peter Steudtner e oito outros ativistas foram detidos neste mês enquanto participavam de um workshop sobre segurança digital próximo a Istambul.

Um procurador turco pediu a um tribunal na segunda-feira para estender a prisão pendendo julgamento por suspeitas de ligação com a rede do clérigo muçulmano Fethullah Gulen, que Ancara culpa pela tentativa de golpe do ano passado. O tribunal ordenou que quatro dos 10 fossem soltos, informou o jornal Hurriyet.

Em comentários não programados em uma cerimônia para atletas, Merkel disse que o caso é outro exemplo de pessoas inocentes “vítimas do sistema judiciário”.

Ela disse que a prisão de Steudtner foi absolutamente injustificada.

“Declaramos nossa solidariedade a ele e todos os outros presos... o governo alemão irá fazer tudo que pode, em todos os níveis, para assegurar sua libertação”. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos