Farmácias do Uruguai iniciam venda de maconha recreativa

MONTEVIDÉU (Reuters) - Três anos e meio depois da aprovação da lei que regulariza a produção e comercialização da maconha no Uruguai, algumas farmácias começaram nesta quarta-feira a venda direta aos consumidores.

Os 4.959 usuários registrados até o momento poderão adquirir a maconha oficial em qualquer um dos 16 locais que estão vendendo pacotes selados de 5 gramas ao equivalente a 6,5 dólares cada, para competir com o mercado informal onde predomina um produto importado de baixa qualidade e alto preço.

Sem necessidade de se identificar ou de apresentar documentos, os consumidores terão acesso, por meio de sua impressão digital, a duas variedades de maconha que estarão disponíveis, chamadas de "Alfa 1" e "Beta 1". Cada pessoa poderá comprar um máximo de 40 gramas por mês para consumo próprio.

Especialistas acreditam que o efeito psicoativo será leve, considerando o baixo nível de THC presente em ambas as variedades.

A iniciativa de vanguarda surgiu durante o mandato do ex-presidente do Uruguai José Mujica, um ex-guerrilheiro que promoveu uma agenda de direitos progressistas, com o objetivo de combater o narcotráfico a partir de uma perspectiva não proibicionista que chamou a atenção do mundo.

O país sul-americano de 3,3 milhões de habitantes é a primeira nação a legalizar todo o processo, desde a produção até a venda de maconha ao público, com o Estado como figura central de regularização.

(Reportagem de Malena Castaldi)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos