Irã anuncia nova linha de produção de mísseis, diz mídia estatal

BEIRUTE (Reuters) - O Irã anunciou neste sábado o lançamento de uma nova linha de mísseis, informou a mídia estatal, em meio à crescente tensão entre Estados Unidos e Teerã sobre o programa de mísseis balísticos do país.

O míssil Sayyad 3 pode atingir altitude de 27 quilômetros e percorrer distância de até 120 quilômetros, disse o ministro de Defesa do Irã, Hossein Dehghan, em cerimônia de lançamento. O equipamento ainda pode atacar aviões de combate, veículos aéreos não tripulados, mísseis e helicópteros, segundo Dehghan.

Na semana passada, os EUA lançaram novas sanções econômicas ao Irã por conta do programa de mísseis balísticos, argumentando que as "atividades malignas" de Teerã no Oriente Médio abalam as "contribuições positivas" provenientes do acordo nuclear iraniano de 2015.

As medidas indicam que o governo do presidente Donald Trump busca pressionar o Irã, ao mesmo tempo em que procura manter o acordo entre Teerã e seis potências mundiais para conter o programa nuclear do país em troca da suspensão de sanções internacionais.

O governo dos EUA informou que sanções têm como alvo 18 entidades e pessoas que teriam apoiado "atividades criminosas e ilícitas iranianas".

Entre eles, há quem tenha apoiado o exército iraniano ou a Guarda Revolucionária Islâmica, desenvolvendo drones e equipamentos militares, produzindo e mantendo barcos e adquirindo componentes eletrônicos, de acordo com os EUA. E há outros que "orquestraram o roubo de programas de software dos EUA e de outros países ocidentais" vendidos ao governo iraniano, disse o Departamento do Tesouro norte-americano.

Na segunda-feira, o governo de Trump disse que o Irã estava cumprindo o pacto nuclear, mas que estava faltando com o espírito do acordo.

Foi a segunda vez que a Trump procurou checar o cumprimento iraniano do acordo desde que assumiu o cargo em janeiro, apesar de descrevê-lo como "o pior acordo de todos os tempos" durante sua campanha presidencial de 2016, criticando o então presidente Barack Obama, cuja administração negociou os termos.

Dehghan disse na cerimônia deste sábado que o recente acordo militar de 110 bilhões de dólares entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita, anunciado durante a visita de Trump a Riad em maio, era uma ameaça ao Irã.

"Recentemente, testemunhamos uma imensa compra que alguns países da região pagaram como um resgate para a América e eles pretendem levar armas para a região. Essa compra foi feita com o objetivo de ameaçar o Irã", disse Dehghan de acordo com a TV estatal.

(Por Babak Dehghanpisheh)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos