Na véspera da votação de denúncia pela Câmara, Temer se diz confiante

BRASÍLIA (Reuters) - Na véspera de ver o pedido de abertura de processo contra si ser votado no plenário da Câmara, o presidente Michel Temer disse a jornalistas que está confiante no resultado.

"A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) já decidiu que não há autorização, agora é o plenário", disse Temer ao final de uma cerimônia no Palácio do Planalto.

Questionado ainda se haverá quórum na quarta-feira para votar a abertura do processo, o presidente repetiu o discurso de que é a oposição que precisa votar.

"Quem tem de votar são aqueles que querem destruir aquilo que a CCJ decidiu", afirmou.

Para que a Câmara autorize o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar a denúncia contra o presidente por corrupção passiva são necessários os votos de 342 dos 513 deputados. O quórum mínimo para o início da votação também foi definido em 342 deputados.

Até o último minuto, o governo se movimenta para tentar garantir o quórum e ainda virar votos de indecisos a favor do presidente. A estratégia inclui ainda a exoneração de 11 dos 12 ministros que são também deputados para que votem a favor de Temer. A exceção é o ministro da Defesa, Raul Jungmann, que está coordenando a ação das Forças Armadas no Rio de Janeiro.

Nesta terça-feira, Temer incluiu 17 deputados em sua agenda, a maior parte deles colocados na lista de indecisos nos levantamentos feitos pela base governista. Temer ainda almoçou com 52 deputados da Frente Parlamentar Agropecuária.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos