Protestos contra Uber bloqueiam acesso a aeroporto do Chile e deixam turista brasileiro morto

SANTIAGO (Reuters) - Taxistas protestando contra o crescimento de aplicativos de viagens compartilhadas como Uber e Cabify bloquearam nesta segunda-feira uma importante rodovia que leva ao principal aeroporto do Chile, em Santiago, causando a morte de um turista brasileiro e a prisão de 22 pessoas.

Imagens na televisão mostraram o trânsito se estendendo por quilômetros, enquanto muitos passageiros caminhavam pela estrada com suas bagagens na esperança de embarcarem.

Um turista brasileiro de 65 anos, que seguia para o aeroporto, morreu de parada cardiorespiratória depois de desmaiar em meio ao protesto, informou a polícia.

"Esta ocupação do aeroporto pelos taxistas prejudicou significativamente a imagem do Chile, das companhias aéreas e de pessoas saindo ou chegando ao país", disse a repórteres Claudio Orrego, governador da região metropolitana de Santiago.

Alguns voos sofreram atrasos e as empresas aéreas, como a LATAM Airlines, baseada em Santiago e maior linha aérea da região, pediam que seus usuários contatassem a central de atendimento para buscar soluções.

Orrego acrescentou que o governo apresentaria acusações contra os responsáveis ​​pelos protestos.

Grupos de taxistas vêm protagonizando protestos nos últimos meses contra os serviços de Uber e Cabify, cuja regulação avança lentamente no Congresso do Chile.

(Por Gram Slattery)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos