Ataques reivindicados pelo Estado Islâmico deixam 60 mortos no Iraque

BAGDÁ (Reuters) - Três ataques suicidas reivindicados pelo Estado Islâmico mataram pelo menos 60 pessoas no sul do Iraque nesta quinta-feira, informaram fontes policiais e de saúde, sugerindo uma mudança nas táticas do grupo radical.

Autoridades de segurança iraquianas e curdas dizem que os militantes sunitas provavelmente travarão uma guerra de guerrilha no Iraque depois que seu auto-proclamado califado em Mosul entrou em colapso.

O Estado Islâmico também está sob cerco na cidade síria de Raqqa, sua base operacional para ataques no Oriente Médio e no Ocidente.

Autoridades de segurança descreveram os ataques de quinta-feira como uma tentativa de enviar uma mensagem aos seguidores do Estado Islâmico, de que o grupo ainda é forte e pode operar em outras partes do Iraque após suas perdas territoriais.

"Depois de perder a guerra no Iraque e o encolhimento de seu poder, o Estado Islâmico retornou ao seu antigo estilo de insurgência, realizando ataques suicidas, o que é um claro sinal de que o grupo terrorista está recuando", disse o coronel de inteligência policial Murtatha al -Yassiri.

Vestindo uniformes da força de segurança e dirigindo veículos do Exército roubados, os agressores atacaram um posto de controle da polícia e dois restaurantes em uma rodovia perto da cidade de Nassiriya, usando carros-bomba e coletes suicidas, disseram as fontes.

Pelo menos 100 pessoas ficaram feridas, informou a polícia.

Um comunicado divulgado pela agência de notícias Amaq, que apoia o Estado Islâmico, disse que os combatentes do grupo radical muçulmano sunita atacaram e mataram "dezenas de xiitas".

(Por Ahmed Rasheed e Aref Mohammed)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos