MPF diz que irmãos Batista soltos podem voltar a cometer crimes

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério Público Federal acredita que os irmãos Batista, donos da JBS, devem continuar presos para evitar que cometam novos crimes, afirmou nesta terça-feira a procuradora Thaméa Danelon.

O MPF apresentou denúncia contra Joesley e Wesley Batista por uso indevido de informação privilegiada e manipulação do mercado com a compra e venda de ações. Wesley também foi denunciado pelo uso de informação privilegiada para a compra de dólares.

"No que depender do MPF, eles vão continuar presos, porque eles soltos vão continuar cometendo crimes e cooptando agentes públicos. Então para garantia da ordem publica, para evitar uma fuga, para aplicação da lei penal, o MPF entende que eles devem permanecer presos", disse a procuradora Thaméa Danelon.

De acordo com o MPF, os irmão Batista podem ser multados em até três vezes o lucro obtido com operações no mercado financeiro investigadas na operação Tendão de Aquiles --cerca de 238 milhões de reais, sendo 100 milhões de reais de ganhos com operações cambiais e 138 milhões de reais que deixaram de perder com operações de compra e venda de ações da JBS.

Se condenado pela Justiça pelos crimes apontados pelo MPF, Joesley pode receber pena de 2 a 13 anos de prisão, e Wesley teria pena de 3 a 18 anos de prisão.

Os irmãos Batista encontram-se presos preventivamente na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo.

(Por Laís Martins)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos