Coalizão de Macri deve vencer eleições parlamentares nos maiores distritos da Argentina

Por Hugh Bronstein

BUENOS AIRES (Reuters) - Os argentinos foram às urnas neste domingo numa eleição que deve dar ao presidente Mauricio Macri, pró-mercado, a vitória nos maiores distritos do país, neutralizando a oposição e fazendo avançar suas chances de reeleição em 2019.

O setor privado tem se preocupado com um possível retorno da ex-presidente Cristina Kirchner, uma política gastadora e populista que quase levou o país à falência durante seu governo, entre 2007 e 2015. Mas as pesquisas de intenção de voto a tem colocado em segundo lugar na disputa por uma cadeira no Senado por Buenos Aires.

A Cambiemos, coalizão de Macri, deve receber a maioria dos votos em cinco dos distritos mais populosos de Buenos Aires, bem como nas províncias de Buenos Aires, Córdoba, Santa Fé e Mendoza, disse Ignácio Labaqui, analista de mercados emergentes em Buenos Aires para a consultoria Medley Global.

As áreas em que Macri tem vantagem correspondem a quase 66 por cento do eleitorado argentino, de acordo com os registros eleitorais. Nenhum partido conseguiu vencer em todos os cinco maiores colégios eleitorais, numa eleição parlamentar, desde 1985.

A vitória deve dar ao Cambiemos mais do que um terço do Senado e da Câmara, disse Julio Burdman, diretor da consultoria Observatorio Electoral.

“Isso roubaria da oposição dois terços da maioria necessária para derrubar vetos presidenciais, e encorajaria Macri a aprofundar as reformas para liberação de mercado que os investidores lhe pedem”, disse Burdman.

Cristina ficou empatada com o candidato de Macri, Esteban Bullrich, em eleições primárias para representar Buenos Aires no Senado, em agosto, mas desde então tem perdido força, falhando em unir a oposição.

Uma pesquisa da consultoria Management & Fit a mostrou com 4,8 pontos percentuais de votos a menos que Bulrich, enquanto outras pesquisas mostram uma disputa mais acirrada.

Mesmo que fique em segundo lugar, Cristina ainda garante um dos três lugares da província de Buenos Aires no Senado.

A eleição carrega um forte significado para aqueles que viveram a sangrenta ditadura militar argentina (1976-1983).

“Tenho a mesma alegria sempre que voto porque isso é a democracia. Isso é muito importante para mim porque tenho 79 anos e já vivi de tudo”, disse a aposentada Marta Liber à Reuters, em sua seção eleitoral, em Buenos Aires.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos