BC reduz Selic a 7,5% ao ano e não fala mais em fim "gradual" do ciclo de cortes

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central reduziu nesta quarta-feira a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, a 7,5 por cento ao ano, desacelerando o passo e retirou a menção sobre o "encerramento gradual do ciclo" de afrouxamento monetário, mas voltou a repetir que uma redução moderada na Selic à frente é adequada.

"Para a próxima reunião, caso o cenário básico evolua conforme esperado, e em razão do estágio do ciclo de flexibilização, o Comitê vê, neste momento, como adequada uma redução moderada na magnitude de flexibilização monetária", informou o BC, indicando que continuará a colocar novamente o pé no freio em dezembro.

Em pesquisa Reuters, 53 de 54 analistas consultados previam que o corte seria de 0,75 ponto agora. Esse foi o nono corte consecutivo na Selic, que a levou ao nível mais baixo desde abril de 2013, e menor do que anterior, de ponto.

Desde o início do mês passado, o BC vinha apontando que o Comitê de Política Monetária (Copom) antevia o encerramento gradual do ciclo.

"A gente esta vendo um cenário relativamente tranquilo para inflação, em que pese o susto do aumento da energia elétrica", afirmou o economista do banco Santander Luciano Sobral, para quem a Selic irá a 6,75 por cento em janeiro.

Na pesquisa Focus mais recente, feita pelo BC junto a uma centena de economistas todas as semanas, a expectativa é de que a Selic vá a 7 por cento no fim deste ano e do próximo, o que já seria seu menor patamar histórico.

Mas com a inflação projetada abaixo do centro da meta para 2017 e 2018 e pouco pressionada pela ainda lenta retomada da economia, uma parte dos analistas já enxergava a possibilidade de a Selic ir abaixo deste nível.

No comunicado, o BC elevou marginalmente a projeção de inflação pelo cenário de mercado a 3,3 por cento em 2017, ante 3,2 por cento em sua última estimativa, feita em setembro no relatório trimestral de inflação. Para 2018 e 2019, a perspectiva foi mantida em 4,3 por cento e 4,2 por cento, respectivamente.

A meta de inflação para este ano e o próximo é de 4,5 por cento pelo IPCA, caindo a 4,25 por cento em 2019, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

(Reportagem adicional de Silvio Cascione)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos