Baixo comparecimento mancha vitória de Kenyatta em repetição de eleição presidencial do Quênia

Por Ed Cropley

NAIRÓBI (Reuters) - Os resultados da nova eleição presidencial do Quênia começaram a sair nesta sexta-feira, com estimativas iniciais de comparecimento abaixo de 35 por cento, abalando as esperanças do presidente Uhuru Kenyatta de conseguir unir o país com uma vitória decisiva para um segundo mandato.

Com quase todos os partidários do líder de oposição, Raila Odinga, seguindo o pedido do político veterano por um boicote à eleição, a vitória de Kenyatta não está em dúvida.

Menos clara, no entanto, é sua habilidade em unir a nação do leste africano, cujas profundas divisões étnicas têm sido expostas durante um sangrento e caótico processo eleitoral prolongado durante os últimos três meses, com múltiplos casos judiciais.

A primeira eleição, em agosto, foi anulada por tribunais devido a irregularidades no processo, negando a Kenyatta uma vitória contra seu adversário político de longa data.

Se os esperados desafios legais não conseguirem tirar o país da crise, incluindo uma possível ordem para a realização de outra eleição, o palco estará formado para um impasse político prolongado e economicamente prejudicial entre as campanhas de Kenyatta e Odinga.

"A não ser que os tribunais anulem a eleição, Kenyatta avançará sem um mandato claro e Odinga buscará uma estratégia de protesto cujas chances de sucesso nas circunstâncias não são muito altas", afirmou o analista do Grupo de Crises Internacionais, Murithi Mutiga.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos