Ministro da Defesa britânico renuncia em meio a crescente escândalo de assédio

Por William James e Elizabeth Piper

LONDRES (Reuters) - O ministro da Defesa do Reino Unido, Michael Fallon, renunciou nesta quarta-feira, dizendo que sua conduta foi abaixo dos altos padrões exigidos para sua posição, na primeira renúncia em um escândalo de assédio sexual no Parlamento.

A primeira-ministra Theresa May, enfraquecida após perder sua maioria parlamentar em uma eleição em junho, perde um auxiliar leal em um momento em que tenta quebrar um impasse nas conversas para a saída da União Europeia. Fallon foi descrito por fontes de seu governista Partido Conservador como um “rottweiler” político.

Esta foi a primeira renúncia de alto escalão após um crescente número de acusações de comportamento inapropriado feitas contra ministros e parlamentares, impulsionadas por acusações de abuso sexual contra o produtor de Hollywood Harvey Weinstein.

Fallon pediu desculpas anteriormente nesta semana por tocar o joelho de uma apresentadora de rádio em 2002 --algo que a mulher em questão descreveu nas redes sociais como “ligeiramente engraçado”.

Em sua carta de renúncia a May, ele disse que houve muitas acusações sobre parlamentares nos dias recentes, incluindo “algumas sobre minha conduta prévia”.

“Muitas destas foram falsas, mas eu aceito que no passado eu fiquei abaixo dos altos padrões que são exigidos das Forças Armadas que eu tenho a honra de representar”, disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos