Angelina Jolie condena violência sexual contra refugiadas rohingyas

Por Ruma Paul

DACA (Reuters) - A atriz Angelina Jolie condenou a violência sexual infligida a mulheres rohingyas no Estado de Rakhine, em Mianmar, onde uma operação militar contra um insurgência fez com que centenas de milhares de muçulmanos rohingyas atravessassem a fronteira para Bangladesh.

Mais de 600 mil muçulmanos rohingyas deixaram Mianmar, que tem maioria budista, desde o final de agosto, em fuga de ações militares que uma importante autoridade da ONU descreveu como um caso clássico de "limpeza étnica".

Angelina, que também é enviada especial do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), disse a uma delegação de Bangladesh, na cidade canadense de Vancouver, que planeja visitar mulheres rohingyas vítimas de violência sexual.

"Mais tarde, ela mencionou em seu discurso de abertura a violência sexual enfrentada por quase toda mulher rohingya que fugiu para Bangladesh, e condenou o conflito armado em Mianmar", disse o Ministério de Relações Exteriores de Bangladesh em comunicado, nesta quinta-feira.

O ministério não forneceu detalhes sobre a viagem proposta por Angelina.

Acusações de estupros coletivos organizados e outros crimes contra a humanidade foram feitas contra o Exército de Mianmar no domingo por outra autoridade graduada da ONU, que visitou campos em Bangladesh onde refugiados rohingya têm se abrigado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos