Atentado suicida em mesquita deixa 50 mortos na Nigéria

Por Percy Dabang e Ardo Hazzad

YOLA, Nigéria (Reuters) - Um homem-bomba matou ao menos 50 pessoas no nordeste da Nigéria nesta terça-feira, em um ataque a uma mesquita que deixou as marcas de uma facção do grupo militante islâmico Boko Haram.

O atentado em Mubi, no Estado de Adamawa, foi um dos mais letais no nordeste da Nigéria desde que o presidente Muhammadu Buhari chegou ao poder, em 2015, comprometendo-se a acabar com a insurreição de oito anos do Boko Haram e ataques do grupo contra alvos civis e militares.

O ataque elevou para pelo menos 278 o número de pessoas mortas em 2017, segundo cálculos da Reuters. Não houve reivindicação de responsabilidade.

"Alguns dos mortos estavam em pedaços, sem condições de reconhecimento", disse Bayi Muhammad, um fiel que escapou da explosão porque estava atrasado para as orações da manhã.

Abubakar Othman, porta-voz da polícia no Estado de Adamawa, disse que o número de mortos era de ao menos 50, mas acrescentou que o saldo pode aumentar.

Oito pessoas ficaram gravemente feridas e mais de 30 sofreram ferimentos de menor gravidade, segundo Idris Garga, coordenador regional da agência nacional de emergências da Nigéria.

O Boko Haram ocupou território no Estado de Adamawa em 2014, mas tropas os expulsaram no início de 2015, e a cidade de Mubi estava relativamente pacífica até o bombardeio desta terça-feira.

O presidente da Nigéria afirmou que o ataque foi "muito cruel", e deu garantias de que seu governo fará "tudo que for necessário" para garantir a segurança do Estado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos