Papa encerra viagem delicada pela Ásia, após pedir perdão do povo Rohingya

Por Krishna N. Das e Philip Pullella

DHAKA (Reuters) - O Papa Francisco encerrou uma delicada viagem pela Ásia, neste sábado, buscando o perdão do povo refugiado muçulmano Rohingya, em Bangladesh, depois da sua controversa decisão de não se referir diretamente à situação quando visitou o país natal deles, em Mianmar. 

No último dia da visita de três dias para Bangladesh, realizada após reuniões em Mianmar, de maioria budista, o papa foi a uma casa para órfãos, mães solteiras e idosos indigentes, em Dhaka, fundada pela Madre Teresa.

Posteriormente, no seu discurso para uma audiência de aproximadamente 7.000 jovens católicos, muçulmanos e seguidores de outras religiões, o papa falou sobre receber e aceitar aqueles que "agem e pensam diferente de nós".

"Quando um povo, uma religião ou uma sociedade tornam-se um 'pequeno mundo', perdem o melhor que possuem e mergulham em uma falsa mentalidade de 'eu sou bom e você é ruim'", afirmou Francisco, no Colégio Notre Dame, fundado por padres católicos. 

Ele também pediu que seus jovens ouvintes não "passassem o dia inteiro jogando no celular e ignorando o mundo ao seu redor".

Francisco disse que estava muito satisfeito com a reunião inter-religiosa da noite de sexta-feira, quando teve um encontro emocionante com refugiados do Mianmar e usou a palavra Rohingya pela primeira vez nesta viagem, dizendo que eles tinham Deus dentro deles e que deveriam ser respeitados. Ele também buscou seu perdão em nome de todos que os perseguiram. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos