Reconhecimento de Trump de Jerusalém como capital israelense alimentaria a violência, diz Liga Árabe

CAIRO (Reuters) - Qualquer movimento dos Estados Unidos para reconhecer Jerusalém como capital de Israel alimentaria o extremismo e a violência, disse o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit, no sábado.

Ele falou um dia depois que uma autoridade de alto escalão do governo dos EUA afirmou que o presidente norte-americano, Donald Trump, provavelmente reconhecerá Jerusalém como capital de Israel em anúncio na próxima semana.

Os palestinos querem que Jerusalém seja a capital do seu futuro Estado, e a comunidade internacional não reconhece a reivindicação de Israel em toda a cidade, que abriga locais sagrados para as religiões judaica, muçulmana e cristã.

O anúncio de Trump, que desviaria as intenções de presidentes anteriores, que insistiram que o status de Jerusalém deveria ser decidido nas negociações de paz, já provocou críticas da Autoridade Palestina.

"Hoje, dizemos muito claramente que tomar tal ação não é justificado ... Não servirá à paz ou à estabilidade, mas irá alimentar o extremismo e a violência ", disse Aboul Gheit em uma declaração publicada no site da Liga Árabe.

"Ele só beneficia um lado, o governo israelense que é hostil à paz", acrescentou.

(Por Ali Abdelaty)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos