Coreia do Sul e EUA realizam exercícios aéreos em meio a alerta da Coreia do Norte sobre guerra nuclear

Por Christine Kim e Philip Wen

SEUL/PEQUIM (Reuters) - Os Estados Unidos e a Coreia do Sul realizaram exercícios aéreos conjuntos de larga escala nesta segunda-feira, um gesto que, segundo a Coreia do Norte, deixará a Península Coreana "à beira da guerra nuclear" e que ignorou pedidos de cancelamento feitos por Rússia e China.

As manobras acontecem uma semana depois de Pyongyang dizer que testou seu míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês) mais avançado e capaz de alcançar os EUA, parte de um programa de armas que vem desenvolvendo em desafio a sanções e críticas internacionais.

O ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, disse ser "lamentável" que todas as partes não tenham "aproveitado a janela de oportunidade" apresentada por dois meses de calma relativa antes do lançamento norte-coreano mais recente.

China e Rússia haviam proposto que EUA e Coreia do Sul desistissem de grandes exercícios militares em troca da suspensão dos programas de armas da Coreia do Norte. Pequim classifica a ideia formalmente como proposta de "suspensão dupla".

Os exercícios anuais EUA-Coreia do Sul, batizados de Ás Vigilante, transcorrerão até sexta-feira, e seis caças antirradar F-22 Raptor estarão entre as mais de 230 aeronaves participantes.

No domingo o norte-coreano Comitê de Reunificação Pacífica do País chamou o presidente norte-americano, Donald Trump, de "insano" e disse que as manobras "levarão a situação já crítica na Península Coreana à beira da guerra nuclear".

Caças F-35 também se envolverão nos exercícios, que incluirão o maior número de caças de quinta geração que já participaram do evento, segundo um porta-voz da Força Aérea dos EUA baseado na Coreia do Sul.

Cerca de 12 mil efetivos, inclusive dos Fuzileiros Navais e da Marinha, se juntarão às tropas sul-coreanas. As aeronaves participantes partirão de oito instalações militares dos EUA e da Coreia do Sul.

         Reportagens da mídia sul-coreana disseram que bombardeiros B-1B Lancer podem se unir aos exercícios nesta semana, mas o porta-voz da Força Aérea norte-americana não as confirmou.

Na semana passada Trump disse que sanções adicionais de peso serão impostas a Pyongyang em reação a seu teste de ICBM. No início deste mês o presidente inclui o regime em uma lista de patrocinadores estatais do terrorismo, uma designação que permite a seu país impor mais punições.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos