Juiz argentino pede prisão de ex-presidente Cristina Kirchner

BUENOS AIRES (Reuters) - Um juiz federal argentino indiciou e pediu a prisão da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner nesta quinta-feira, por tentar ocultar o possível papel do Irã na explosão de um centro comunitário judaico, que deixou 85 mortos em 1994, segundo despacho judicial.

Como Cristina é senadora, o Congresso precisa aprovar a remoção de sua imunidade parlamentar antes que ela possa ser detida. O juiz federal Claudio Bonadio também indiciou e pediu que o ex-ministro de Relações Exteriores de Cristina Hector Timerman cumpra prisão domiciliar.

Cristina Kirchner convocou uma entrevista coletiva no Congresso para negar a irregularidade e acusar Bonadio e o presidente Mauricio Macri de degradar o poder judiciário.

"É um caso inventado sobre fatos que não existiram", disse ela, vestida de branco.

O advogado de Timerman não pôde ser imediatamente contatado para comentar.

Embora a remoção da imunidade de autoridades do Congresso seja rara na Argentina, o Congresso o fez no dia 25 de outubro para o ex-ministro de Planejamento de Cristina Julio De Vido e ele foi preso no mesmo dia. De Vido é acusado de fraude e corrupção, o que ele nega.

Mais cedo nesta quinta-feira, outros dois aliados de Cristina foram presos com base na mesma decisão de Bonadio: Carlos Zannini, um assessor jurídico, e Luis D'Elia, o líder de um grupo de manifestantes aliado a seu governo.

Há um ano, um tribunal de recursos ordenou a reabertura de uma investigação sobre a possibilidade de uma ocultação relacionada à explosão. Em janeiro de 2015, o promotor que fez a acusação inicial, Alberto Nisman, foi encontrado morto no banheiro de seu apartamento em Buenos Aires.

A morte foi classificada como um suicídio, embora uma autoridade investigando o caso tenha dito que o incidente parecia ser homicídio. O corpo de Nisman foi descoberto algumas horas antes de quando ele deveria passar informações para o Congresso sobre a explosão do centro.

Nisman havia dito que Cristina trabalhou nos bastidores para livrar o Irã e normalizar as relações bilaterais para fechar um acordo de grãos por petróleo com Teerã.

Bonadio escreveu que evidências do caso demonstraram que o Irã, com a ajuda de cidadãos argentinos, pareceu atingir seu objetivo de evitar ser declarado como um Estado "terrorista" pela Argentina.

(Reportagem de Jorge Otaola, Eliana Raszewski e Caroline Stauffer)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos