Presidente da Venezuela eleva salário mínimo em 40% para 2018

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou neste domingo um aumento de 40 por cento do salário mínimo para o início de 2018, prometendo novas medidas para proteger os trabalhadores de uma inflação que, segundo cálculos do Parlamento controlado pela oposição, alcançou os quatro dígitos.

O salário mínimo mensal será a partir de 1º de janeiro de 248.510 bolívares, segundo determinação do presidente que decretou cinco ajustes salariais ao longo de 2017.

Esse valor equivale a cerca de 3 dólares no mercado paralelo, o que o coloca como um dos mais baixos da América Latina.

"Boas notícias para começar com a proteção, o trabalho de estabilidade de todos os trabalhadores", disse Maduro em uma mensagem de ano novo transmitida em cadeia de rádio e TV, convocando o país para a "recuperação econômica".

O Congresso, de oposição, alertou que o país entrou em hiperinflação e culpa o Banco Central de estimulá-la com a criação de dinheiro que permite ao governo financiar os constantes aumentos do salário para mitigar o descontentamento dos trabalhadores.

A inflação encerrou novembro em 1.369 por cento, segundo a medição mais recente do Parlamento.

O governo socialista vai elevar em 40 por cento os salários de todos os funcionários públicos, assim como as pensões, a partir de 1º de janeiro, e o bônus de alimentação que os trabalhadores formais recebem aumentou para 549.000 bolívares.

(Reportagem de Corina Pons e Alexandra Ulmer)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos