Tatuagens ajudam polícia da Tailândia a prender suspeito de assassinato no Japão

BANGCOC (Reuters) - Um japonês de 74 anos acusado de assassinar um membro de uma gangue no Japão há 15 anos foi preso na Tailândia depois que fotos de suas tatuagens viralizaram nas redes sociais, informou a polícia tailandesa nesta quinta-feira.

Shigeharu Shirai foi preso na noite de quarta-feira na província de Lopburi, 150 quilômetros ao norte da capital Bangcoc. A polícia disse que ele confessou fazer parte da gangue Yamaguchi-gumi, dentro da organização criminosa Yakuza, no Japão, mas não ter cometido o assassinato.

Shirai é acusado de ser um dos oito gângsters envolvidos no assassinato de outro líder da gangue em 2003. Os outros sete foram presos, mas Shirai fugiu para a Tailândia em 2005.

"Ele admitiu que a vítima havia sido intimidada, e que pode ter havido planos dentro dos subgrupos da Yakuza para matá-lo... mas ele não confessou o assassinato do colega líder da gangue", disse Wirachai Songmetta, vice-chefe de polícia da Tailândia.

Não foi possível entrar em contato com Shirai ou com um representante para comentar.

A polícia disse que o que chamou a atenção de autoridades japonesas foram fotos que viralizaram nas redes sociais mostrando tatuagens da organização criminosa Yakuza cobrindo as costas de Shirai.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos