Turquia irá encerrar extradições para os EUA se clérigo não for entregue, diz Erdogan

ANCARA (Reuters) - A Turquia não irá extraditar nenhum suspeito para os Estados Unidos se Washington não entregar o clérigo que Ancara responsabiliza por orquestrar uma tentativa frustrada de golpe militar em 2016, disse o presidente turco, Tayyip Erdogan, nesta quinta-feira.

Ancara acusa o clérigo turco que mora nos Estados Unidos Fethullah Gulen de organizar o golpe de Estado e tem pedido sua extradição repetidamente a Washington.

Autoridades norte-americanas, entretanto, disseram que os tribunais requerem evidências suficientes para extraditar o clérigo idoso que nega qualquer envolvimento com o golpe.

"Nós demos aos Estados Unidos 12 terroristas até agora, mas eles ainda não nos devolveram aquele que queremos. Eles inventaram desculpas a partir do nada", disse Erdogan durante conferência em seu palácio presidencial em Ancara.

"Se vocês não nos derem ele (Gulen), então nos desculpem, mas daqui para frente sempre que vocês nos pedirem outro terrorista, enquanto eu estiver no governo, vocês não os conseguirão", disse.

A Turquia é o maior país muçulmano da Otan e um importante aliado dos Estados Unidos no Oriente Médio.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos