Papa adverte América Latina sobre corrupção e menciona a Odebrecht

LIMA (Reuters) - O papa Francisco completou sua viagem ao Chile e ao Peru neste domingo alertando que a América Latina estava em uma profunda crise pela corrupção, com a política na maioria dos países "mais doente do que bem".

Falando em observações improvisadas aos bispos, ele mencionou o escândalo envolvendo a brasileira Odebrecht, que admitiu pagar bilhões em subornos, como um exemplo de ganância descontrolada por todo o continente em que nasceu.

Enquanto estava sentado ao lado do presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, na sexta-feira, o papa disse que todas as partes da sociedade precisavam trabalhar para combater a corrupção.

Neste domingo, ele falou mais amplamente. "A política está em crise, muito em crise na América Latina", disse ele, ao mesmo tempo que menciona paraísos fiscais e tráfico de drogas.

Em uma rara declaração para um papa, ele nomeou uma empresa específica. Francisco disse que a Odebrecht, que confessou em um acordo de leniência em 2016 pagar bilhões em troca de contratos em 10 países da América Latina, na verdade era apenas uma pequena parte do problema.

O papa falou sobre corrupção em viagens anteriores à América Latina. No Paraguai em 2015, ele disse que era uma "praga, uma gangrena da sociedade" e desde então expandiu a metáfora da doença.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos