Oposição da Venezuela condena medida que impede coalizão de participar de disputa presidencial

CARACAS (Reuters) - Líderes de oposição da Venezuela condenaram nesta sexta-feira a decisão da Justiça do país que proibiu sua coalizão de concorrer nas próximas eleições presidenciais, descrevendo a medida como uma manobra do governo do presidente Nicolás Maduro para manipular a votação a seu favor.

A decisão da Suprema Corte venezuelana, pró-governo, de impedir a coalizão de se registrar na eleição representa mais um obstáculo para a oposição.

A votação deve acontecer até o dia 30 de abril, entretanto, os principais líderes da oposição, Leopoldo López e Henrique Capriles, estão proibidos de concorrer.

Críticos dizem que Maduro está privando a Venezuela de uma eleição livre e justa durante um período de crise econômica sem precedentes.

"Isso demonstra o medo que Maduro sente da população", disse o parlamentar de oposição Stalin González, na quinta-feira.

A comunidade internacional também está colocando pressão no governo. Os Estados Unidos disseram nesta semana que a eleição irá "aprofundar, não ajudar a resolver, as tensões nacionais", e o vice-presidente norte-americano, Mike Pence, chamou Maduro de "ditador".

(Reportagem de Vivian Sequera, Corina Pons e Andreina Aponte)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos