Suprema Corte da Venezuela proíbe coalizão de oposição de se registrar para eleição presidencial

CARACAS (Reuters) - A Suprema Corte da Venezuela, pró-governo, proibiu na noite de quinta-feira a coalizão de oposição de se registrar para a eleição presidencial deste ano, possivelmente fragmentando os adversários do presidente Nicolás Maduro, ao forçar os partidos políticos a apresentarem candidatos separados.

A decisão da corte foi apenas o último golpe contra a oposição, que busca derrubar o impopular presidente de esquerda Nicolás Maduro em meio a uma intensa crise econômica.

Os líderes mais populares da oposição, como Leopoldo López e Henrique Capriles, estão proibidos de participar da eleição, que deve acontecer antes do dia 30 de abril. Alguns estão presos, outros estão em exílio ou banidos da política.

A coalizão planejava realizar primárias para escolher um candidato conjunto. Entretanto, a decisão de quinta-feira determinou que a coalizão violou o princípio de impedir a "afiliação dupla" na política e, portanto, não poderia ser validada.

(Reportagem de Alexandra Ulmer e Corina Pons)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos