Papa pede que Europa seja mais ativa no combate ao antisemitismo

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco pediu, nesta segunda-feira, que países europeus façam mais para combater o antisemitismo, dizendo que a indiferença é um vírus que pode permitir que ideias de ódio racial se espalhem.

Francisco se pronunciou durante discurso em uma conferência em Roma sobre a responsabilidade dos Estados de combater o antisemitismo e crimes associados.

"Somos responsáveis quando somos capazes de reagir. Não é meramente uma questão de analisar as causas da violência e refutar sua lógica perversa (de crimes antisemitas), mas de estar ativamente preparados para reagir a eles", disse o papa durante o evento organizado pela Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Diversas nações europeias tornaram ilegal negar o Holocausto, a tentativa nazista de exterminar judeus europeus durante a Segunda Guerra Mundial.

Na última semana, a câmara baixa do Parlamento alemão pediu a criação de um novo posto governamental para supervisionar o combate ao antisemitismo, depois que símbolos judeus e bandeiras de Israel foram queimadas no país.

"A indiferença é um vírus que é perigosamente contagioso em nosso tempo, um tempo em que estamos cada vez mais conectados com os outros, mas cada vez menos atentos aos outros", disse o papa.

(Reportagem de Philip Pullella)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos