EUA e Turquia buscam restaurar laços; Ancara propõe ação conjunta na Síria

Por Yara Bayoumy e Orhan Coskun e Ece Toksabay

ANCARA (Reuters) - Os Estados Unidos e a Turquia concordaram nesta sexta-feira em tentar resgatar um relacionamento estratégico que Washington admite ter chegado a um ponto crítico, e Ancara propôs mobilização conjunta na Síria se uma milícia curda apoiada pelos EUA deixar uma área de fronteira.

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, reuniu-se com o presidente turco, Tayyip Erdogan, durante uma visita de dois dias ocorrida após semanas de escalada retórica anti-EUA do governo local.

Embora as relações entre Washington e seu principal aliado muçulmano na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) estejam tensas devido a uma série de questões, a Turquia ficou particularmente enfurecida com o apoio norte-americano à milícia curda YPG, que vê como terrorista.

No mês passado, a Turquia lançou uma incursão militar por ar e terra em Afrin, região do noroeste sírio, para varrer a YPG de sua fronteira sul. Os EUA têm armado, treinado e auxiliado combatentes da milícia com apoio aéreo e forças especiais, já que é a principal força terrestre em sua campanha contra o Estado Islâmico.

"Nós nos encontramos em meio a uma certa crise no relacionamento", disse Tillerson em coletiva de imprensa depois de se encontrar com o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, nesta sexta-feira. Na noite passada, ele conversou com Erdogan durante mais de três horas.

"Decidimos, e o presidente Erdogan decidiu na noite passada, que precisamos conversar sobre como seguir em frente. O relacionamento é importante demais".

Os EUA não têm tropas em Afrin, onde a ofensiva turca vem acontecendo até agora, mas a Turquia propôs levar sua campanha mais para o leste até a cidade de Manbij, onde soldados norte-americanos estão localizados, o que poderia levar a um confronto direto com unidades apoiadas pelos EUA.

Em uma proposta que pode sinalizar avanço importante nos esforços para superar as diferenças acentuadas dos aliados quanto à Síria, uma autoridade turca disse à Reuters que seu país propôs que forças turcas e norte-americanas poderiam atuar juntas em Manbij.

Tal mobilização conjunta poderia ocorrer se primeiro os combatentes da YPG recuassem para posições ao leste do rio Eufrates, uma exigência antiga de Ancara.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos