Venezuela adia eleição presidencial para 20 de maio e fala em 'espírito de reconciliação'

Por Ana Isabel Martinez e Andrew Cawthorne

CARACAS (Reuters) - O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE) adiou nesta quinta-feira a próxima eleição presidencial de 22 de abril para 20 de maio, depois de um pacto entre o governo socialista e alguns partidos da oposição.

As eleições presidenciais na Venezuela normalmente são realizadas no final do ano, e críticos acusaram as autoridades de antecipar a votação para prejudicar a oposição e beneficiar o presidente Nicolás Maduro em sua busca pela reeleição.

A principal coalizão de oposição decidiu boicotar a votação, dizendo ser uma farsa concebida para legitimar uma "ditadura".

Os dois adversários mais fortes de Maduro, Leopoldo López e Henrique Capriles, estão impedidos de concorrer.

Mas Henri Falcón, outro líder opositor proeminente, rompeu com a coalizão e lançou sua candidatura, consolidando uma cisão prejudicial nas fileiras oposicionistas e aumentando as chances de Maduro conquistar mais um mandato de seis anos.

Falcón, um ex-governador de 56 anos, ainda acredita que pode vencer tirando proveito da insatisfação generalizada com o governante Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), causada pela grave crise econômica enfrentada pelo país.

Mas apoiadores da oposição dos campos de López e Capriles o acusaram de se vender e estão estimulando os eleitores a se absterem.

"Infelizmente Falcón sucumbiu à tentação de participar e jogar o jogo da ditadura", disse Juan Pablo Guanipa, líder do partido Primeiro Justiça de Capriles.

Enquanto isso os Estados Unidos estão cogitando impor sanções contra o governo Maduro devido ao que dizem ser condições injustas para a votação presidencial.

Jorge Rodriguez, autoridade de alto escalão do governo, disse nesta quinta-feira que o acordo do partido Avanço Progressista de Falcón e alguns outros movimentos é prova de um espírito de reconciliação.

"A Venezuela é um modelo de democracia para todo o mundo", afirmou ele aos repórteres na sede do CNE.

Luis Romero, que comanda a sigla de Falcón, disse que a única maneira de se obter mudanças é através das urnas, e não de protestos semelhantes aos que causaram quase 130 mortes no ano passado.

Contrariando o consenso da maioria dos analistas, várias pesquisas mostraram que Falcón de fato tem chance de derrotar Maduro.

O CNE informou que as votações para as legislaturas estaduais acontecerão na mesma ocasião.

(Reportagem adicional de Corina Pons)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos