Espiar celular de companheiro pode resultar em prisão na Arábia Saudita

DUBAI (Reuters) - Espiar o celular de seu companheiro na Arábia Saudita agora pode resultar em altas multas e em até um ano de prisão, de acordo com uma nova lei que pretende "proteger a moral dos indivíduos e da sociedade e proteger a privacidade".

A punição será válida tanto para homens quanto para mulheres no ultraconservador reino muçulmano, de acordo com comunicado divulgado na noite de segunda-feira pelo Ministério da Cultura.

A lei pode, entretanto, proteger homens de suas esposas.

Como em muitas outras partes do mundo muçulmano, leis sauditas para divórcio, inspiradas em escrituras sagradas, muitas vezes exigem que esposas forneçam evidências de abuso ou promiscuidade sexual para pedir pensão. O celular de um marido pode ser grande fonte de evidências do tipo.

A chamada lei anti-crime cibernético torna "espionar, interceptar, ou receber dados transmitidos através de uma rede de informação ou computador sem autorização legítima" um crime. A lei prevê pena de até 500 mil riais sauditas (133 mil dólares), pena de prisão ou ambos.

"Redes sociais têm resultado no constante crescimento de crimes cibernéticos como chantagem, fraude e difamação, sem mencionar a invasão de contas", disse o ministério.

(Reportagem de Noah Browning)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos