Procurador-especial dos EUA tem autoridade para investigar ex-chefe de campanha de Trump, dizem documentos

Por Rich McKay

(Reuters) - Robert Mueller, procurador-especial do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, está especificamente autorizado a investigar as alegações de que Paul Manafort, ex-chefe de campanha do presidente dos EUA, Donald Trump, se mancomunou com a Rússia para interferir na eleição presidencial de 2016, mostraram documentos registrados em um tribunal na segunda-feira.

Os documentos também mostram que Mueller está especificamente autorizado a investigar os laços de Manafort com o ex-governo ucraniano pró-Moscou.

Os papéis foram apresentados em reação a uma moção de Manafort que questionou a autoridade de Mueller para processá-lo.

Atualmente Manafort não enfrenta acusações relacionadas à eleição presidencial de 2016 ou à suposta interferência russa, mas é acusado de ter cometido fraude bancária, feito declarações de imposto de renda falsas, conspirado contra os EUA planejando lavar dinheiro e não se registrar como um agente estrangeiro quando fez lobby pelo ex-governo da Ucrânia.

Sua moção pediu a anulação destas acusações com o argumento de que Mueller não tem autoridade para investigar seus negócios com Kiev.

Nenhuma das partes envolvidas no caso estava disponível para comentar na manhã desta terça-feira.

Trump tem repetido que não houve conluio entre sua campanha e a Rússia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos