Temer deve indicar Moreira Franco para MME e fecha reforma no final da semana

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Michel Temer deve dar uma solução caseira para a disputa pelo Ministério das Minas e Energia e indicar o atual ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, para a vaga, disse à Reuters uma fonte palaciana. 

    A decisão, que deve ser fechada nesse final de semana, se o governo encontrar um substituto para Moreira no Palácio do Planalto, resolve a disputa entre os senadores Edison Lobão (MA) e Eduardo Braga (AM). Os dois emedebistas, ex-ministros, queriam a vaga, mas ambos contrários à privatização da Eletrobras, tiveram suas indicações vetadas pelo Planalto. 

    Moreira, que coordena hoje o Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), que toca as concessões e privatizações, herdaria o processo da Eletrobras e o leilão do pré-sal que pode render 100 bilhões de reais. Ambas ações consideradas cruciais para o governo este ano.

Uma fonte do MME disse à Reuters que a escolha de Moreira só poderia seguir uma lógica política, já que o ministro não tem especial afinidade com a área.

    A mudança também garantiria por mais alguns meses o foro privilegiado do ministro, já que sua nomeação para a Secretaria Geral está sendo questionada no Supremo Tribunal Federal e teve parecer da Procuradoria-Geral da República afirmando que a nomeação havia sido inconstitucional. 

REFORMA FINAL

    O Planalto avançou em mais alguns nomes para a reforma ministerial, mas ainda não deve, segundo a fonte palaciana, ser fechada nesta sexta-feira. "Ainda falta encontrar um substituto para Moreira, fechar Esporte e Meio Ambiente", revelou.

    Também falta acertar a situação do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Na manhã desta sexta-feira Meirelles terá um encontro com o presidente Michel Temer para dizer finalmente se sai para ser candidato ou fica na Fazenda.

    Apesar de ter assinado a ficha no MDB esta semana, Meirelles teria ficado incomodado em ser apresentado em segundo plano em relação a Temer, durante a cerimônia de filiação e reiterado que não teria interesse em ser candidato a vice-presidente. 

    O Planalto ainda precisa definir quem substituirá Leonardo Picciani no Esporte e Sarney Filho no Meio Ambiente. Nesta quinta-feira foram definidos o ministro da Integração, que será Antonio de Pádua, secretário de Recursos Hídricos, ligado a Jáder Barbalho. Vinícius Lemmertz, presidente da Embratur, será o ministro do Turismo.

(Com reportagem adicional de Rodrigo Viga, no Rio de Janeiro)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos