Lula não terá privilégios em visitas, decide Moro

BRASÍLIA (Reuters) - O juiz federal Sérgio Moro decidiu que o ex-presidente Luiz Inácio da Silva não terá nenhum privilégio no recebimento de visitas, tendo que se adequar à regra geral estabelecida a todos os detentos da Polícia Federal em Curitiba (PR), informou o magistrado em despacho.

Moro determinou o recolhimento de Lula em uma sala reservada da Superintendência da PF da capital curitibana para cumprir pena, separada dos demais presos, "sem qualquer risco para a integridade moral ou física, a fim de igualmente atender a dignidade do cargo ocupado". O juiz também autorizou o petista a ter um aparelho de televisão na cela.

"Nenhum outro privilégio foi concedido, inclusive sem privilégios quanto a visitações, aplicando-se o regime geral de visitas da carceragem da Polícia Federal, a fim de não inviabilizar o adequado funcionamento da repartição pública, também não se justificando novos privilégios em relação aos demais condenados", afirmou Moro, em despacho do final da tarde de segunda-feira.

A decisão do juiz ocorre às vésperas da visita prevista que 10 governadores de Estado pretendem fazer a Lula nesta terça-feira em Curitiba. São oito governadores do Nordeste (menos o do Rio Grande do Norte), mais os chefes do Executivo do Acre, Tião Viana, e de Minas Gerais, Fernando Pimentel.

Lula está preso na sede da PF em Curitiba desde sábado para cumprir pena de 12 anos e 1 mês de prisão, em regime fechado, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro em condenação confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

O dia de visitação a todos os detentos naquela unidade da PF são as quartas-feiras.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos