Equador dá prazo de 12 horas para que insurgentes colombianos provem que reféns estão vivos

QUITO (Reuters) - O presidente do Equador, Lenín Moreno, deu na quinta-feira a um grupo insurgente colombiano 12 horas para provar que dois jornalistas e seu motorista, sequestrados no mês passado na área de fronteira entre os dois países, estão vivos, ou suas forças de segurança tomarão ações conjuntas contra eles.

Moreno voltou a Quito vindo de uma cúpula regional no Peru, após relatos não confirmados de que o repórter do jornal El Comercio Javier Ortega, o fotógrafo Paul Rivas e o motorista Efrain Segarra foram mortos por um grupo de ex-combatentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Sem especificar qual ação seria tomada se o prazo não fosse cumprido, Moreno disse que havia conversado com o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pedindo que ele lidasse de maneira contundente com o grupo, que se financia através do tráfico ilegal de cocaína.

"Eu dou a esses narcotraficantes 12 horas para nos dar provas da existência de nossos compatriotas, caso contrário nós vamos agir com toda contundência", disse a repórteres.

Juan Manuel Santos disse em sua conta no Twitter que Moreno poderia contar com o apoio das Forças Armadas da Colômbia.

Na quarta-feira, um comunicado aparentemente emitido pela Frente Oliver Sinisterra --uma facção do ex-grupo rebelde Farc que se recusou a aderir a um acordo de paz em 2016-- informou que os equatorianos haviam morrido em uma tentativa de resgate.

Os jornalistas e seu motorista estavam a trabalho para o jornal El Comercio quando foram sequestrados.

(Reportagem de Alexandra Valencia em Quito)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos