Ataques dos EUA afetam potencial de ataques químicos da Síria, diz Pentágono

WASHINGTON (Reuters) - O Pentágono disse neste sábado que os ataques aéreos à Síria na última madrugada atingiram com sucesso cada alvo destinado. Os ataques tiveram como objetivo mandar um sinal claro para o governo sírio e impedir o uso futuro de armas químicas. 

    Os bombardeios afetaram significativamente o potencial do presidente sírio Bashar al-Assad de produzir armas químicas, disseram autoridades a jornalistas. O Pentágono disse não estar ciente se foram atingidas vítimas civis nos ataques. 

    O Tenente-General Kenneth F. McKenzie disse que os ataques foram precisos, devastadores e eficientes. 

    Embora parte da infraestrutura síria para fabricar armas químicas ainda permaneça, "acho que fizemos um golpe severo", disse McKenzie, acrescentando que o programa sírio de armas químicas sofreria alguns anos de retrocesso. 

    Apesar de ter danificado severamente a infraestrutura de armas químicas com os ataques, McKenzie disse que o Pentágono não descarta que o governo Assad possa usar tais armas de novo. 

    "Eu diria que ainda há um elemento residual do programa sírio que ainda está lá", disse. "Eu não direi que eles não conseguirão fazer um ataque químico no futuro. Eu suspeito, no entanto, que eles pensar bastante antes de o fazerem".

    (Reportagem de Phil Stewart, Idrees Ali e Doina Chiacu)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos