UE intensifica pressão sobre redes sociais por combate a notícias falsas

BRUXELAS (Reuters) - Gigantes da tecnologia como Facebook e Google devem intensificar os esforços para combater a disseminação de notícias falsas na internet nos próximos meses, ou podem ser sujeitos a novas regulamentações da União Europeia devido ao temor crescente de interferências em eleições.

Até julho a Comissão Europeia irá elaborar um Código de Conduta sobre a Desinformação para toda a UE com medidas para evitar a difusão das chamadas "fake news", como uma análise maior do posicionamento de anúncios, informou o organismo nesta quinta-feira.Os formuladores de política da UE estão particularmente receosos de que a disseminação de notícias falsas possa interferir nas eleições europeias do ano que vem, uma vez que o Facebook revelou que a Rússia tentou influenciar os eleitores norte-americanos através da rede social da eleição de 2016. Moscou nega tais alegações."Estas plataformas fracassaram até agora em agir proporcionalmente, ficando aquém do desafio representado pela desinformação e pelo uso manipulativo da infraestrutura das plataformas", escreveu a Comissão em sua estratégia para lidar com as notícias falsas, publicada nesta quinta-feira."A Comissão pede às plataformas que intensifiquem de forma decisiva seus esforços para combater a desinformação online. Ela considera que autorregulamentação pode contribuir para estes esforços, contanto que seja implantada e monitorada efetivamente$escape.getQuote().Os anunciantes e as plataformas de internet deveriam produzir "efeitos mensuráveis" com base no Código de Conduta até outubro, na ausência dos quais a Comissão poderia propor ações adicionais, como uma regulamentação "direcionada a algumas plataformas$escape.getQuote().As empresas terão se empenhar mais em fechar contas falsas e adotar medidas que reduzam as receitas para disseminadores de desinformação e restrinjam as opções de direcionamento de anúncios políticos.A Comissão também apoiará a criação de uma rede europeia independente de verificadores de fatos e lançará uma plataforma online sobre desinformação.As revelações de que a empresa de consultoria política Cambridge Analytica --que trabalhou para a campanha do presidente norte-americano, Donald Trump-- acessou indevidamente os dados de até 87 milhões de usuários do Facebook abalou ainda mais a confiança nas redes sociais.(Por Julia Fioretti)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos