PUBLICIDADE
Topo

Fechamento de jornais na Venezuela deixa noticiário nas mãos do Estado

14.jun.2018 - Jornalistas trabalham na redação do El Nacional, o único jornal independente de grande porte da Venezuela, em Caracas - REUTERS/Adriana Loureiro
14.jun.2018 - Jornalistas trabalham na redação do El Nacional, o único jornal independente de grande porte da Venezuela, em Caracas Imagem: REUTERS/Adriana Loureiro

Angus Berwick e Vivian Sequera

26/07/2018 11h04

Quase três quartos dos jornais da Venezuela fecharam durante cinco anos de recessão no antes próspero país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), de acordo com a associação nacional de jornalismo, o que torna o El Nacional o último diário independente de circulação nacional.

Entidades pró-mídia alertam que a liberdade de imprensa diminuiu ao longo de 2017, ano em que o presidente Nicolás Maduro se reelegeu para um mandato de seis anos em maio em eleições boicotadas pela oposição.

A Venezuela caiu seis posições no índice de liberdade de imprensa dos Repórteres Sem Fronteiras, ocupando agora o 143º lugar entre os 180 países pesquisados.

Segundo o venezuelano Instituto de Imprensa IPYS, a agência reguladora de telecomunicações também fechou 40 estações de rádio em 2017 citando irregularidades em suas licenças.

O governo Maduro afirma que trata todos os veículos de mídia igualmente e que existe liberdade de imprensa - mas disse publicamente que quer mais controle sobre a mídia, que já foi abertamente antigoverno e comemorou um breve golpe contra o então presidente Hugo Chávez em 2002.

14.jun.2018 - Prensa do jornal El Nacional, o único diário independente de grande porte da Venezuela, em Caracas - REUTERS/Adriana Loureiro - REUTERS/Adriana Loureiro
Prensa do El Nacional em Caracas
Imagem: REUTERS/Adriana Loureiro

Os fechamentos deixam o noticiário cada vez mais nas mãos de rádios e televisões estatais e jornais pró-governo, como o Ultimas Noticias, que cobrem as atividades oficiais de Maduro e ignoram os níveis crescentes de desnutrição e doenças.

"Só sobraram os escombros da mídia burguesa", disse Maduro em um discurso feito durante o dia nacional dos jornalistas da Venezuela em junho.      

O Ministério da Informação não respondeu a nenhum de vários pedidos de comentário sobre o tratamento do governo à mídia.

Vários dos novos veículos de notícias online também estão enfrentando dificuldades crescentes. Eles relatam bloqueios de sites que os obrigam a encontrar maneiras mais criativas de dar notícias, como sumários em áudio enviados por WhatsApp.

"É uma forma de driblar a censura. Porque não vamos simplesmente ficar aqui resmungando porque nos bloquearam", disse Cesar Batiz, que fundou o site de notícias El Pitazo em 2014.

O Ministério da Informação não respondeu a um pedido de comentário sobre os bloqueios dos sites.