PUBLICIDADE
Topo

Trump cancela reunião com Putin no G20 por crise ucraniana

29/11/2018 14h58

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que estava cancelando reunião com o presidente russo, Vladimir Putin, em uma cúpula do G20 na Argentina no fim de semana, depois de ter expressado descontentamento com ações russas contra a Ucrânia.

Trump afirmou que participará de cúpula com Putin quando a situação na Ucrânia for resolvida.

"Com base no fato de que navios e marinheiros não foram devolvidos à Ucrânia pela Rússia, decidi que seria melhor para todas as partes interessadas cancelar minha reunião previamente agendada na Argentina com o presidente Vladimir Putin. Aguardo com expectativa uma cúpula significativa assim que esta situação for resolvida!", disse Trump no Twitter, depois de partir para o encontro do G20.

Mais cedo, ao deixar Washington para viagem a Buenos Aires, o presidente norte-americano havia declarado: "provavelmente vou me encontrar com o presidente Putin". Ele disse que obteria um relatório final durante o voo sobre a tensão na região depois que a Rússia tomou navios ucranianos perto da Crimeia no domingo. "Estou recebendo um relatório completo sobre o que aconteceu e isso vai determinar o que vou fazer", afirmou ele.

As relações entre Washington e Moscou tornaram-se as mais tensas desde o fim da Guerra Fria durante o governo do presidente Barack Obama, que impôs sanções devido à anexação russa da Crimeia, que pertencia à Ucrânia, em 2014.

Agências de inteligência dos EUA acusaram a Rússia de interferir na eleição de 2016, uma alegação que Moscou nega repetidamente. Um procurador especial dos EUA está investigando se a campanha de Trump conspirou com Moscou, algo que a campanha nega.

Trump disse na quinta-feira que estaria disposto a se encontrar com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman na Argentina, mas não havia tempo em sua agenda. Trump está sob pressão do Congresso para punir o príncipe herdeiro por seu suposto envolvimento no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

Com agências de notícias.