Topo

Chefe do Pentágono visita Bagdá para apoiar Iraque e debater saída da Síria

2019-02-12T09:57:34

12/02/2019 09h57

Por Idrees Ali

BAGDÁ (Reuters) - O secretário de Defesa interino dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, chegou a Bagdá nesta terça-feira para uma visita não anunciada durante a qual disse que enfatizará a importância da soberania iraquiana e abordará o futuro dos soldados dos EUA no país.        

O presidente Donald Trump disse neste mês que a presença norte-americana é necessária para observar o Irã, o que extrapola a missão declarada da coalizão liderada pelos EUA no Iraque e na Síria – derrotar o Estado Islâmico.

"Estamos no Iraque a convite do governo, e nossos interesses são criar recursos de segurança iraquianos", disse Shanahan aos repórteres que o acompanham em sua primeira visita ao Iraque.

"Quero ouvir em primeira mão deles sobre as preocupações, a dinâmica política que estão enfrentando e depois, com base nisso, obviamente incluiremos isso em nosso planejamento."

Shanahan deve se encontrar com líderes como o primeiro-ministro, Adel Abdul Mahdi, e também debaterá com comandantes norte-americanos a retirada de tropas dos EUA da Síria.

Trump causou revolta em Bagdá neste mês ao dizer que é importante manter uma presença militar norte-americana no Iraque para que Washington possa ficar de olho no Irã "porque o Irã é o verdadeiro problema".

O Iraque está em uma posição difícil agora que as tensões entre seus dois maiores aliados, Washington e Teerã, aumentam.

Os comentários de Trump provocaram críticas generalizadas dos líderes iraquianos, inclusive Abdul Mahdi, e provocaram dúvidas sobre a permanência de longo prazo dos cerca de 5.200 soldados norte-americanos no país 16 anos após a invasão liderada pelos EUA que depôs Saddam Hussein.

As tropas, parte de um acordo com Bagdá, têm a missão específica de combater o terrorismo e deveriam se ater a isso, disse o presidente iraquiano, Barham Salih, depois dos comentários de Trump.

Políticos do Parlamento iraquiano alinhados a Teerã aproveitaram a indignação para reiterar sua exigência de que a missão dos EUA no Iraque seja restringida e que o número de tropas diminua.

Indagado se soldados dos EUA na Síria podem ser enviados ao Iraque, Shanahan respondeu que terá conversas a este respeito durante a visita.

O general do Exército dos EUA Joseph Votel, chefe do Comando Central norte-americano, disse na segunda-feira que não acredita que Washington aumentará consideravelmente o número das tropas no Iraque.